Índices de solvência

Estudar finanças em sua empresa é ponto fundamental para a sustentabilidade e perenidade dela, sobretudo para seu crescimento, uma vez que a falta de gestão financeira eleva e muito o risco do seu negócio. É importante você estar concentrado no seu produto ou serviço, no seu posicionamento, na melhor estratégia, no seu cliente. Por isso, é importante que você conheça sobre índices de solvência, isto é, conheça seu fluxo de caixa livredinheiro disponível como caixa, aplicações liquidas ou mesmo ativos que você consiga reverter em dinheiro facilmente.

Pois, empreender envolve também o conhecimento matemático quantitativo no que se refere à contabilidade do seu negócio, afinal não importa o tamanho, magnitude ou tempo disponível, é fundamental que você conheça também as ferramentas e as técnicas mais usadas no processo de tomada de decisão do seu negócio.

Índices de Solvência

Os índices de solvência medem até onde a empresa usa a dívida – suas contas de passivo, ou alavancagem financeira, versus o capital próprio para financiar seus ativos. Estes índices permitem que os gestores financeiros, ou seus proprietários, observem se a empresa está financiando seus ativos com uma proporção razoável entre o capital próprio e o capital de terceiros.  Ou seja, se sua operação ou unidade de negócio está gerando lucro ou caixa suficiente para honrar com suas obrigações prometidas como, por exemplo, duplicatas com seus fornecedores, folha de pagamento, aluguéis, despesas financeiras.

Então quanto maior seu grau de solvência, geralmente dado em percentual, menor é o risco, uma vez que a empresa está sendo capaz de horar seus títulos e com redução de risco de falência, pois com o aumento das dívidas no curto e longo prazo maior será a dificuldade de geração de caixa para liquida-las.

 

Liquidez x Solvência: qual a diferença?

  • Liquidez é capacidade de pagamento a curto prazo, conhecida como liquidez corrente, ácida e geral;
  • Solvência evidencia a capacidade de pagamento no longo prazo e, como dito anteriormente, demonstra também em quão alavancado e como está estruturado o financiamento de seus ativos para geração de caixa. Afinal é o seu fluxo de caixa que pagará suas contas.

É evidente que seus credores, bancos, financeiras, factorings e securitizadoras, estarão de olho na sua capacidade e pagamento no longo prazo, porque uma vez que sua empresa tem índice de solvência não satisfatório, que normalmente transita em torno de 20%, você estará com o risco elevado para esses agentes com possibilidades de não honrar títulos no longo prazo.

 

4 técnicas para cálculo dos Índices de Solvência:

Abordarei a seguir quatro técnicas com conceitos para cálculo da solvência de sua empresa com a função de analisar a capacidade da empresa de saldar suas obrigações a longo prazo, ou mais genericamente, seu grau de alavancagem financeira que mostram o relacionamento entre as fontes de capital da empresa, capital próprio e capital de terceiros.

 

  1. Índice de Endividamento Geral (IEG) ou Grau de Endividamento (GE)

    • Mensura a proporção do total de ativos financiados pelos credores da empresa, sendo a relação do passivo exigível e o total de ativos;
    • Indica que a empresa financiou tantos % de seus ativos com dívidas (capital de terceiros);
    • Quanto maior esse índice, maior será o grau de endividamento da empresa, assim como mais alavancagem financeira ela terá.
  1. Índice de Independência Financeira (IIF)

    • Demonstra, percentualmente, quanto do financiamento da empresa é com recursos próprios;
    • Mensura a relação do patrimônio liquido e o passivo exigível mais PL;
    • Sendo que quanto maior esse percentual , menor o capital de terceiros.
  1. Índice de Estrutura de Financiamento dos Investimentos (IEFI)

    • É a relação entre investimentos e financiamentos a longo prazo;
    • É calculada pela relação entre o patrimônio liquido e passivo não circulante e o ativo não circulante da empresa;
    • Significa mais facilmente que para cada R$ 1,00 que a empresa necessita investir a longo prazo, a empresa está financiando “R$ X” a longo prazo;
    • É o índice mais importante dentre os índices de endividamento;
    • Vale destacar, importantíssimo esse indicador para a tomada de decisão e estratégias financeiras da empresa: Como regra, é sugerido que o seu valor fique entre 1,0 e 1,5. Caso esteja abaixo de 1,0 (gera problema de liquidez) e acima de 1,5 (gera problema de rentabilidade).
  1. Índice de Cobertura de Juros (ICJ)

    • Mede a capacidade que a empresa tem de efetuar os pagamentos de juros contratuais, isto é, atender as obrigações da dívida;
    • É mensurado pela relação do lucro antes de juros e imposto (Ebit) e despesas com juros;
    • Como regra, um valor de pelo menos 3,0 e preferencialmente mais próximo de 5,0 é sugerido;
    • Em resumo, quanto menor for o índice, maior o risco, para ambos os lados, credores e gestores. Permite, na tomada de decisão, aos administradores avaliar a capacidade de cumprir com as obrigações no pagamento dos juros.

Vamos por em prática?

Agora que você aprendeu a calcular a solvência da sua empresa que tal por em prática? É importante destacar que é muito valioso comparar com outras empresas, desde que seja do mesmo ramo (benchmarking financeiro). Bem como, compreender o conceito e as devidas interpretações para que você reorganize seus negócios ou mesmo aprimore.

Não é possível que se obtenha sucesso sem esforço e entendimento de ferramentas em finanças, pois não se administra o que não se consegue medir.

 

Márcio Carvalho de Brito
Professor e sócio da Valor Futuro S.A.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, adicione sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *