Não é difícil perceber que empresas abrem cheias de esperança, mas fecham as portas com facilidade e em pouco tempo de vida. Muitas surgem e logo desaparecem. Esse desaparecimento muitas vezes é fruto de uma má gestão que por vezes começa já na idealização da organização e vai até a sua manutenção, causando impactos na saúde financeira do negócio.  

O encerramento das atividades de diversas organizações se dá pela falta de preparo de seus administradores e sócios. Ao decidir começar um negócio é fundamental que seus gestores tenham conhecimentos a respeito da área financeira, só assim conseguirão compreender a viabilidade da empresa e como manter suas portas abertas. Somente será possível consolidar uma empresa no mundo dos negócios se houver uma boa organização e planejamento com verdadeiro entendimento dos termos financeiros e suas utilidades. Para começar um empreendimento é preciso atravessar diversas etapas e é necessário que se saiba qual a melhor decisão a ser tomada em cada uma delas, portanto o conhecimento na área financeira é essencial. 

Somente com conhecimento e preparo, através de planejamento eficaz, é que será possível manter um negócio com boa saúde financeira, capaz de se manter e de obter sucesso, dessa forma nada poderá passar despercebido pela administração. É uma análise que precisa ser feita seja a empresa grande ou pequena. Dos termos que são essenciais na área financeira um deles é o capital de giro, pois é peça chave para prosperidade da organização. O capital de giro precisa ser estudado e analisado pelos gestores de uma empresa de forma eficiente, pois somente poderá ser obtido o lucro após recuperação de custos e gastos que a empresa tenha contraído durante o ciclo operacional.

O que é capital de giro?

Capital de giro é um termo significativamente amplo, uma vez que ele se refere a todos os recursos necessários e dispostos pela companhia para que ela consiga exercer suas atividades todos os dias, para que se mantenha girando. Nesses recursos estão inclusas contas fixas, caixas, valores a serem recebidos, aplicações financeiras, produtos e/ou serviços que, num curto prazo, possam ser transformados em capital. 

Ao ter um capital de giro alinhado com as despesas operacionais internas, a empresa consegue se manter funcionando, uma vez que se faz necessário ter recursos para que as operações internas possam acontecer. Boa parte das empresas passam por períodos de sazonalidade com momentos em que as vendas estão altas e alguns momentos que as vendas estão mais baixas, o capital de giro entra como um equilíbrio, pois se bem estruturado, garante que os pagamentos que não podem ser postergados sejam realizados mesmo em períodos de baixa nas vendas. 

A empresa será capaz de pagar funcionários, de arcar com custos para continuar suas operações internas e não ter prejuízo nas suas atividades, seja na venda de produtos ou oferta de serviços, na eventualidade do surgimento de despesas extras caso ela possua um capital de giro adequado. Dessa forma, o capital de giro é um verdadeiro símbolo de segurança financeira para uma organização, ele garante que a companhia esteja apta a se manter mesmo em situações atípicas. Fica claro porque uma boa gestão deve ter conhecimento do capital de giro e mantê-lo alinhado com as metas e expectativas empresariais 

Como calcular?

Para calcular o capital de giro precisamos subtrair o dinheiro disponível e o que será utilizado como despesa, considerando pagamento de dívidas como custos fixos e gastos extras. Ou seja, o cálculo se dá pela diferença dos passivos circulantes e dos ativos circulantes. Vamos entender o que são ativos circulantes e passivos circulantes e como se constituem:

Ativos circulantes:

Valores de alta liquidez, considerados investimentos, contas a receber, estoque, valores e direitos que podem ser convertidos em dinheiro a curto prazo, portanto enquanto o dinheiro não retorna para a empresa é necessário o capital de giro (recursos) para continuar seu funcionamento. 

Passivos circulantes:

Dívidas de curto prazo, despesas como aluguel, pagamento de funcionários e fornecedores, impostos etc. 

Utilizamos a seguinte fórmula para realizar o cálculo e compreendê-lo melhor: 

CGL (capital de giro líquido) = AC (ativos circulantes) – PC (passivos circulantes).

Os valores podem sofrer alterações de acordo com o cenário da empresa, o tipo de serviço ou produto que é ofertado por ela. 

 

Cálculo Capital de Giro
Cálculo Capital de Giro

Conclusão 

Para conseguir identificar possíveis problemas empresariais e as soluções financeiras para ele, é importante que se acompanhe de perto o capital de giro e que seu cálculo esteja em dia. Uma vez que é o capital de giro é o recurso que a empresa tem para pagar despesas operacionais, sendo custos fixos ou extras, uma falha em sua gestão implicaria na captação de recursos adicionais por parte dos sócios, ou seja, endividamento através de empréstimos ou financiamentos. O capital de giro deve ser capaz de arcar com despesas rotineiras com os próprios recursos da empresa, por isso é um forte aliado na prática de uma boa gestão e manutenção da saúde financeira da companhia. 

Uma forma de captar dinheiro em caixa para ter capital de giro é antecipando seus recebíveis. Saiba mais em nosso site.

Veja também nosso artigo sobre Patrimônio Líquido.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, adicione sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *