Quando se fala em empreender ou começar um novo negócio, muito se escuta a respeito dos custos que um empreendimento acarreta antes de começar a ser lucrativo. Aliás, avaliar os custos de um possível negócio não se trata apenas de lançar um olhar negativo sobre ele, mas é sobre averiguar principalmente sua viabilidade no mercado.

Toda empresa gera despesas. Verificar esses gastos antes de abrir uma companhia possibilita analisar as chances de sucesso dela, além de ajudar a pensar na redução de custo se a avaliação é feita com a corporação já em funcionamento. Ou seja, essa verificação é mais uma das ferramentas de conhecimento que auxiliam a manter uma boa gestão e saúde financeira da empresa, aliando-se a tomadas de decisões dos sócios.

O que é a contabilidade de custos

Podemos entender como contabilidade de custos o registro dos valores voltado para os custos que a empresa tem para produzir seus produtos ou prestar seus serviços de modo oferta-los aos clientes. Tendo dito isso, fica claro que essa contabilidade auxilia na compreensão do comportamento dos custos da empresa e onde eles estão inseridos. Todo gasto que é fundamental para que o produto ou serviço seja ofertado ao cliente deve entrar nesse cálculo, ou seja: matéria prima, funcionários, fornecedores, energia, água etc.

Classificação dos custos

Os custos podem ser indiretos ou diretos, qualquer que seja o segmento da empresa. A definição é compatível com seu nome, sendo considerado um custo direto aquele gasto que tem ligação direta com produção de um produto ou oferta de um serviço. São custos diretos aqueles que envolvem a fabricação de um produto, por exemplo. No caso de uma empresa de camisetas poderíamos considerar o tecido, linha, tintas etc. Considerando essa mesma empresa, poderíamos considerar como custo indireto o gasto com marketing utilizado para divulgar o produto. Não é um gasto essencial para ser considerado custo direto, mas faz parte das despesas que englobam a oferta desse produto.

Há ainda outra categorização dos custos: os fixos e os variáveis. São considerados custos fixos aqueles que independem da produção, pois não importa se há aumento ou queda na produtividade, o gasto continua o mesmo. Já os custos variáveis seriam as despesas que sofrem alteração de acordo com a produção.

Função da contabilidade de custos

Ao entender a definição da contabilidade de custos e quais os custos que devem ser considerados, conseguimos perceber sua importância e assim compreender suas funções. Ela identifica e media os pagamentos feitos pela organização. Dentre todas as suas funções, podemos elencar como as principais: estabelecer os custos para um período de tempo determinado; ter um controle maior, através do custo médio, sobre as quantidades físicas produzidas; estabelecer uma administração de custo que facilita e possibilita a realização de análises, comparações, redução e desenvolvimento de custos e também providenciam dados de custo em relação a alternativas, facilitando e auxiliando tomadas de decisões por parte dos gestores.

A contabilidade de custos precisa estar presente numa administração eficiente que vise a boa saúde financeira da companhia. Tendo ciência dos números, bem como maior controle sobre eles, fica mais fácil administrar as despesas e encontrar caminhos alternativos e tomar decisões mais acertadas. Para ter o funcionamento empresarial bem alinhado com as expectativas da gestão é essencial manter o controle e monitoramento dessa contabilidade.

Como fazer a contabilidade de custos

Responsável por fornecer um panorama completo dos gastos da empresa, a contabilidade de gastos levanta detalhadamente os gastos desembolsados pela companhia. É preciso contar com a ajuda de um especialista para realizar a contabilidade com a maior precisão possível. De qualquer forma, para fazer a contabilidade de custos é necessário seguir um passo a passo:

1. Listar os custos

É preciso iniciar fazendo uma lista com todos os custos que a empresa tem. Todos devem ser listados, nenhum pode ser deixado de fora.

2. Definir custos diretos

Nessa etapa é preciso elencar todos os custos que estão diretamente ligados a fabricação do produto vendido pela empresa ou todas as despesas que envolvem para ofertar um serviço.

3. Comparar custo direto e preço de venda

É o momento de identificar se o valor gasto é compatível com o retorno financeiro da empresa por produto vendido/serviço prestado. Nesse passo também é possível entender se o retorno financeiro é suficiente para cobrir despesas indiretas, ou seja, se há uma boa margem de contribuição.

4. Ratear custos indiretos

É necessário realizar o rateio dos custos indiretos e fixos para de onde é retirado o valor para arcar com essas despesas. Lembrando que são gastos não relacionados diretamente com a produção, ou seja, independem da quantidade de produtividade, seja ela alta ou baixa. O gasto com marketing é um ótimo exemplo.

5. Ponto de equilíbrio

Ao identificar a margem de contribuição e o rateio é possível verificar quantos produtos precisam ser vendidos (ou serviços ofertados) para que o valor de receita se iguale ao valor de despesas, atingindo o ponto de equilíbrio.

Conclusão

Conceitos financeiros são ótimos aliados para uma boa gestão e o alinhamento da saúde financeira empresarial com as expectativas geradas na criação do empreendimento e na sua participação no mundo dos negócios. É interessante que os sócios contratem profissionais especializados em contabilidade para realizar esses acompanhamentos, mas a gestão também precisa monitorar de perto para entender o que acontece na sua empresa e saber como agir quando a situação pedir alguma decisão com impactos financeiros.

Márcio Carvalho e Brito

Professor e sócio da Valor Futuro S.A.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, adicione sua voz abaixo!


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *